Comunicação |

Notícias

Numeração fixa do elenco para a temporada

19/01/2020 ás 09:39 - Domingo
Diego Toscano / CNC
Imagem
Crédito: Léo Lemos / CNC

A partir deste domingo (18), na estreia oficial do Náutico na temporada 2020, os jogadores alvirrubros usarão numeração fixa em todos os uniformes da marca N Seis. Hoje, o elenco conta com 33 atletas para disputar quatro competições no ano: Campeonato Pernambucano, Copa do Nordeste, Copa do Brasil e Série B. Nem todos os números têm explicação, mas separamos algumas justificativas especiais: família, homenagem a jogadores, Aflitos.

Um dos casos mais emotivos é o do volante Luanderson. O volante escolheu o número 43 porque é a soma do dia do nascimento dos filhos Maria Liz Silva, de 10 anos e que faz aniversário no dia 19 de setembro, e Thiago Fabregas Coutinho de Souza, com 2 anos e que nasceu no dia 24 de novembro. O filho Thiago, por sinal, tem sobrenomes que homenageiam atletas da elite do futebol mundial: Cesc Fabregas, craque de Barcelona, Arsenal, Chelsea e agora no Mônaco e Phelippe Coutinho, meia da Seleção Brasileira e do Bayern de Munique.

No lado familiar também está o zagueiro Carlão, que pegou a camisa 48 porque é o ano de nascimento da madrinha Helena Cristina. Helena foi fundamental na criação do defensor, e cuida dele até hoje.

Luis Felipe e Paiva usaram a ligação com os Aflitos para escolher. No caso do primeiro, o número foi o 35 porque a soma dá oito, que foi a camisa que usou no jogo da reabertura do estádio, contra o Newell’s Old Boys (ARG), em dezembro de 2018. Foi a estreia do volante como profissional. Já o paraguaio escolheu a 19 porque foi a primeira camisa dele jogando no Caldeirão, no amistoso de pré-temporada contra o ABC, no final do ano passado.

Jogadores que são inspiração também foram lembrados, seja do futebol mundial ou do próprio clube. O goleiro Renan, que subiu nesta pré-temporada para o profissional, fará homenagem ao companheiro Jefferson, um de seus exemplos no futebol e que começou com o número 32 no Náutico. Já o atacante Júlio é fã do craque Neymar e pegou a 21, mesmo número que o atual jogador do PSG fez sua primeira grande aparição pelo Santos, ainda na Copa São Paulo de Futebol Júnior, em 2008.

Uma justificativa bem comum tem a ver com o nascimento dos atletas. Nascido em 1998, o volante Rhaldney usará a 98. Mais velho, Jefferson Nem usará a 96, assim como Salatiel (92). Já Jorge Henrique (23) e Jhonnatan (18) escolheram o dia em que nasceram. A primeira vez como profissionais também foi critério. O goleiro Halls pegou a 54 porque começou pelo Vasco com o número, mesmo caso de Rafael Dumas (34, no Flamengo). Apesar de não ter iniciado com a 66, o lateral Erick Daltro repetirá a camisa que fez sucesso em Portugal, entre 2015 e 2016.

Vários jogadores repetirão os números de 2019, ano do acesso para a Série B e do título da Série C. São os casos de Jefferson (1), Hereda (2), Diego (4), Josa (5), Wilian Simões (6), Álvaro (7), Matheus Carvalho (11) e Jean Carlos (10). De volta, quatro atletas também usarão novamente as camisas que tiveram sucesso no passado: o zagueiro Ronaldo Alves (3), o lateral Bryan (31) e os atacantes Erick (33) e Kieza (9) querem repetir a fórmula de sucesso das passagens anteriores no clube.

NUMERAÇÃO FIXA EM 2020

Goleiros: Jefferson (1), Marcão (12), Halls (54) e Renan (32)

Laterais: Bryan (31), Hereda (2), Bahia (22), Wilian Simões (6) e Erick Daltro (66) e Thassio (13)

Zagueiros: Rafael Ribeiro (30), Diego Silva (4), Carlão (48), Lombardi (25), Ronaldo Alves (3), Rafael Dumas (34) e Itambé (14)

Meio-campistas: Josa (5), Wagninho (17), Rhaldney (98), Luanderson (43), Jhonnatan (18), Lucas Paraíba (20), Luis Felipe (35), Jean Carlos (10), Matheus Carvalho (11), Jorge Henrique (23), Miro (15), Djavan (29), Brítez (21) e Luciano (16), Carpina (71)

Atacantes: Wanderson (80), Álvaro (7), Erick (33), Salatiel (92), Kieza (9), Thiago (77), Paiva (19), Eric Bahia (27) e Erick Cunha (26)

Outras notícias